Pesquisar neste blog

terça-feira, 21 de outubro de 2014

A PROVIDÊNCIA DIVINA NA FIDELIDADE HUMANA

Lição 4 - A Providência Divina na Fidelidade Humana

Texto base: Dn 3.1-7,14


Apresentação
Você já foi desafiado em sua fé? Pois bem, muitas vezes passamos por momentos de grandes adversidades, para que possamos provar nossa fidelidade para com Deus.

As vezes é necessário ao crente conhecer a si mesmo, até aonde vai sua fidelidade para com Deus, sabemos que não vem sobre nós tentação ou provação que não possamos suportar (I Co 10.13), sabe por que? Porque o Senhor Jesus está conosco e nos ajuda a passar pelas fornalhas das tribulações de cada dia (Mt 6.34), da mesma forma que Ele esteve com Hananias, Misael e Azarias, está conosco até a consumação dos séculos (Mt 28.20).

Estudaremos nesta lição a atitude dos amigos de Daniel e aprenderemos o quanto é maravilhoso confiarmos em Deus, Ele nunca nos abandona. Creia! Ele está com você e te garante vitória. Ele é o mesmo ontem, hoje e sempre (Hb 13.8).

Objetivos
Analisar a tentativa de Nabucodonosor de instituir uma religião mundial.
Conscientizar-se de que não podemos aceitar a idolatria.
Compreender a fidelidade dos amigos de Daniel ante a fornalha ardente. 

INTRODUÇÃO
- A história narrada no capítulo 3, possivelmente ocorreu no final do reinado de Nabucodonosor (604 - 562), ele reinou 43 anos.
- O texto bíblico nos mostra que vala a pena ser fiel a Deus mesmo diante das maiores adversidades; 
- Nabucodonosor, se esquece do Deus de Daniel e se mostra um rei completamente autoritário, exigindo que os seus súditos adoracem uma estátua; 
- Contudo, apesar se suas exigências, havia três jovens hebreus que não atenderam as ordens do rei, a saber: Hananias, Misael e Azarias, pois estes jovens apesar de ocuparem posição de destaque na Babilônia (2.49), não se curvaram aos caprichos do rei; 
- Da mesma forma que estes jovens não perderam sua identidade de servos de Deus, é necessário que nós preservamos a nossa identidade cristã, a qual vem sendo perdida por muitos cristãos (Ap 3.11). 


I - A TENTATIVA DE SE INSTITUIR UMA RELIGIÃO MUNDIAL
1. A grande estátua.
Para entendermos melhor as medidas da referida estátua, segue abaixo as medidas transformadas no sistema métrico. 
01 côvado é o mesmo que 2palmos bíblicos e equivale a 44,4 cm, esta medida é correspondente à distância entre o cotovelo e a ponta do dedo médio.
v.1. Dados da estátua: 
Local: Campo de Dura. Situado, provavelmente, 10km ao sul da cidade da Babilônia. 
Fabricação. Ouro ("alguns dizem que a imagem ou estátua era apenas coberta de ouro"). Talvez baseado nas outras imagens descritas em (Is 40.19; 41.7; Jr 10.3-9). Contudo, não podemos esquecer que Daniel acompanhou a fabricação desta obra - é melhor afirmar que era de ouro.
Altura: 60 côvado = 26 metros e 64 centímetros (26.64); 
Largura: 06 côvados = 2 metros e 66 centímetros (2,66). 
Formato: Na Bíblia (ARC) é traduzido "estátua de ouro" já na Bíblia (ARA) é traduzido "Imagem". 
Vejamos as definições: 
Imagem. Algum símbolo religioso que exige adoração (v.5);

Estátua. Peça esculpida, modelada ou fundida, representando, de corpo inteiro, um ser humano, um deus ou um animal. 

Obelisco. (do latim obeliscus do grego ὀβελίσκος, diminutivo de ὀβελός "espeto") é um monumento comemorativo, típico do Antigo Egito, constituído de um pilar de pedra em forma quadrangular alongada e sutil, que se afunila ligeiramente em direção a sua parte mais alta, normalmente decorado com inscrições hieróglifos gravadas nos quatro lados, terminado com uma ponta piramidal. 

Conclusão
Considerando a soberba espiritual de Nabucodonosor, podemos afirmar que ele dificilmente iria construir um obelisco de ouro (dado o seu formato). É provável que tenha reproduzido a imagem do sonho (3.12,14), a qual tinha formas de um corpo humano, sendo o rei representado pela cabeça de ouro (2.31-45), no (3.12,14) a imagem mencionada, está mais próximo a do sonho ou a um deus da Babilônia. Outra opção aceitável, é que esta imagem fosse semelhante ao próprio Nabucodonosor, em face de sua grandeza política, econômica, seu envolvimento místico (espiritual). Contudo, não temos como afirmar com certeza.

- Conforme a Palavra de Deus nos afirma, "um abismo chama outro abismo" Sl 42.7, assim dia após dia a soberba de Nabucodonosor aumentava (4.30), até chegar no pior estado (4.24,31-33), só assim reconheceu que só O SENHOR é Deus. Aleluia!. 

"A soberba é a pior semente que podemos plantar; o seu fruto é em sua maioria, imediata" Alan Fabiano


2. A diferença entre as estátuas.
A do capítulo dois => Simbólica; 

A do capítulo três => Literal. 

- O comentarista afirma que a estátua tinha o formato de um obelisco. Particularmente, discordo, pelos argumentos mostrados acima, pois as intenções vaidosas de Nabucodonosor, é melhor representadas por uma imagem com formas humanas, algo que o representasse de uma forma mais objetiva.

3. A inauguração da estátua de ouro (v.2).
- Nos (vv. 1-5), não está claro que Nabucodonosor deseje ser adorado como uma divindade, fala-se que os súditos deveriam adorar a imagem que ele construira, como falado acima, esta imagem poderia ser a do sonho (2) ou de um deus babilônico. Contudo, não podemos desprezar a possibilidade que poderia ser do próprio rei. 

- Aqui aparece uma lista dos oficiais do império, que a arqueologia comprova ser historicamente correta para aquela época. 

- O objetivo era consagrar a imagem à adoração não apenas na Babilônia, mas em todoa área geográfica dominada por Nabucodonosor (v.4; 4.1).


II - O DESAFIO À IDOLATRIA
1. A ordem do rei a todos os seus súditos (vv.4-7).
- Motivações que levaram a construção da imagem: 
a. Exibir-se perante os povos do mundo representados naquele evento. 

b. Nabucodonosor desejava ser adorado como uma divindade babilônica, (esta motivação é mencionada tendo em vista o contexto de soberba e arrogância daquele monarca). Mas isso não pode ser afirmado com absoluta certeza. 
- Nabucodonosor desejava ser adorado como uma divindade babilônica por todos os povos sob seu domínio (v.4), iniciando pelas llideranças, ou seja, seus oficiais.

2. A intenção do rei e o espírito do Anticristo.
- Segundo o comentarista, a intenção do rei prenunciava o espírito do Anticristo, que levantará a imagem da besta para ser adorada (Mt 4.8-10; Ap 13.11-17). 

- A intenção do rei era impor a religião diabólica de sua imagem ou de um deus - não se sabe ao certo, para ser adorado e reverenciado como um deus principal dos povos (v.4).  

3. Coragem para não fazer concessões à idolatria (Dn 3.12). 
- Aqui podemos identificar algo muito importante e inegociável, a nossa IDENTIDADE, estes jovens se mostraram tementes a Deus desde seu início na Babilônia (1.8,11,17). 

- Em nossos dias, a nossa identidade de servos de Deus, é bombardeada a todo momento, mas não devemos atentar para o que vemos e sim para o que não vemos, devemos contemplar o Rei dos reis e desejar estar com Ele muito em breve, pois o mundo jaz no maligno, não é aqui o nosso lugar. 

- Eles sabiam que o Senhor poderia livrá-los da fornalha, mas não tinham idéia se Ele iria fazê-lo. Então eles dizem que se Ele não o fizesse, Ele os livraria das mãos do rei de algum outro modo! Que maravilha!. 

- Podemos ser ridicularizados, ou não conseguir progredir em nosso trabalho, mas nada vale tanto a pena quanto ser fiel ao Senhor, Ele é provedor.

III - A FIDELIDADE A DEUS ANTE A FORNALHA ARDENTE (DN 3.8-12)
1. Os jovens hebreus foram acusados e denunciados (vv.8-12).
- Os jovens servos de Deus, não se curvaram diante da estátua; 

- A informação chega ao conhecimento do rei Nabucodonosor, que por sua vez chama os jovens e os interroga - imagine que pressão - mas, mesmo diante dessa pressão, para negarem o seu Deus e adorarem a outros deuses, eles permanecem firmes fieis.

- Da mesma forma isso aconteceu com os Profetas, os Apóstolos, com muitos cristãos na época da Igreja do primeiro século e ainda hoje estamos vendo cristãos sendo executados por não negarem o seu Deus. 

- Nessas horas de perseguição temos que lembrar de algumas passagens bíblicas como essa e outras (Mt 10.22; 16.24; 24.9; Ap 20.4 etc..). 

2. A resposta corajosa dos jovens hebreus (Dn 3.16-18).
- No v.14, temos um rei requerendo adoração para si ou para os seus deuses, mas esquecendo-se que o Deus de Israel rege a história; 

- Do outro lado temos três homens, súditos, oficiais, leais ao rei, homens de sua confiança, Sadraque, Mesaque e Abde-nego, mas não podiam negar o Rei dos reis, adorando um ídolo; A firmeza da fé em Deus, pela qual os três homens resolvem obedecer a Deus até ao fim, sem exigir uma proteção sobrenatural, mas entregando tudo nas mãos dAquele que julga justamente, vv 16-18. 

3. Reação à intimidação (Dn 3.16-18).
- Reagindo à intimidação de Nabucodonosor, os homens respondem com firmeza de fé e sem mudar o semblante. 

- Essa reação corajosa, resultou numa proteção divina publicamente revelada (v.25), ou seja, o Redentor revelado "antes dos dias de sua carne" (Hb 5.7), que os "salvou totalmente" (v.27; Is 43.2) do fogo, aleluia!.

- A fidelidade desses homens, estava intimamente ligada aos princípios herdados dos seus pais, pois sabiam que tratava-se do primeiro mandamento do Decálogo (Ex 20.3-5), ratificado pelo Senhor Jesus (Mc 12.30).      

- Deus ainda busca homens e mulheres compromissados com Ele, mesmo diante das pressões para negar O seu nome, e dizer "mais vale obedecer a Deus do que aos homens" (At 5.29).

- Quando confiamos em Deus com todo nosso ser, reagimos as perseguições sem temer. 

CONCLUSÃO
Aprendemos grandes lições com esta passagem bíblica, vimos o quanto Nabucodonosor foi arrogante e perverso e o quanto ele pressionou os servos de Deus. 
Aprendemos ainda o quanto é importante confiarmos em Deus, pois Ele sempre está conosco para nos livrar de todo mal. 
"Quando passares pelas águas, estarei contigo, e quando pelos rios, eles não te submergirão, quando passares pelo fogo, não te queimarás, nem a chama arderá em ti." Is 43.2. 


Por Alan Fabiano. 


Fontes:
https://pt.wikipedia.org/wiki/Nabucodonosor_II;
http://www.dicio.com.br/despota/;
https://pt.wikipedia.org/wiki/Obelisco; 
Bíblia de Estudo (ARA) - SHEDD;
Comentário Bíblico Chapter-a-Daily - Digitalizado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário